"Quereis ser médico, meu filho? Esta é a aspiração de uma alma generosa, de um espírito ávido de ciência.
Tens pensado bem no que há de ser a tua vida?"

- Esculápio -

terça-feira, 31 de maio de 2011

Dia Mundial sem Tabaco (6)




Dia Mundial sem Tabaco (5)






Dia Mundial sem Tabaco (4)








Dia Mundial sem Tabaco (3)






Dia Mundial sem Tabaco (2)

Um sucesso de organização e de público o evento realizado pela Secretaria Municipal de Saúde de Itajaí hoje, Dia Mundial sem Tabaco, na rua Hercílio Luz. Durante toda a manhã e parte da tarde, profissionais da área da saúde estiveram repassando informações, realizando exames e orientando a população sobre os malefícios do hábito de fumar, defronte a Casa da Cultura Dide Brandão.
Neste local, além de medição de pressão arterial, glicemia capilar e pico respiratório, foi montado o "espaço do pulmão", uma tenda cuja entrada eram dois gigantescos pulmões, um sadio e outro doente. Nesta tenda falou-se sobre as doenças provocadas pelo tabagismo, além da demonstração, em peças oferecidas pelo laboratório de anatomia da Univali, das características da árvore respiratória saudável e doente.
Estiveram presentes alguns dos responsáveis pelo Programa de Combate ao Tabagismo de Itajaí, como os médicos Jorge Zimmermann, Alexandre Pereira e Julio Corazza, as enfermeiras Ivone e Glaucia e a psicóloga Cris. Também se fizeram presentes ao evento fonoaudiólogas, professores de educação física, enfermeiras e acadêmicos dos cursos de enfermagem e medicina, além de agentes comunitários de saúde. No final da manhã, compareceu para nos prestigiar a diretora do Departamento de Atenção à Saúde do município, Marcia Cracco.
Vários veículos de comunicação locais, como jornais, rádios e TVs registraram o evento, que teve como ponto alto a caminhada realizada pelos participantes do grupo Itajaí Ativo pelas ruas da cidade. Nos posts seguintes, algumas das fotos deste dia especial.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dia Mundial sem Tabaco terá programação na Rua Hercílio Luz, em Itajaí

Com o tema “Convenção - Quadro para o Controle do Tabaco”, o Programa de Controle ao Tabagismo da Secretaria Municipal de Saúde em parceria com o Programa Itajaí Ativo promoverá nesta terça-feira (31) uma série de atividades alusivas ao Dia Mundial sem Tabaco. A programação iniciará com uma caminhada a partir das 9h, saindo defronte a Igreja Matriz até a Igreja Imaculada Conceição, com ida e volta pelo mesmo trajeto. A ação deve reunir participantes de todos os pólos do Itajaí Ativo, totalizando cerca de 200 pessoas. O objetivo da caminhada é conscientizar a população para os problemas de saúde relacionados ao tabagismo. Após a caminhada, os profissionais da Secretaria da Saúde, se instalarão em frente a Casa da Cultura Dide Brandão onde permanecerão até as 14h. 
No local, haverá entrega de material informativo, aferição de pressão arterial, teste de HGT e glicemia. A equipe, formada por médicos, enfermeiros, fonoaudiólogos, nutricionistas, agentes comunitários e professor de educação física vai orientar a população acerca do tabagismo, o uso do cigarro e suas consequências.

Tabagismo
Os números do tabagismo no mundo são alarmantes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, a cada dia, 100 mil crianças tornam-se fumantes em todo o planeta. Cerca de cinco milhões de pessoas morrem, por ano, vítimas do uso do tabaco. Caso as estimativas de aumento do consumo de produtos como cigarros, charutos e cachimbos se confirmem, esse número aumentará para 10 milhões de mortes anuais por volta de 2030. Ainda segundo a OMS, o fumo é uma das principais causas de morte evitável, hoje, no planeta. Um terço da população mundial adulta – cerca de 1,3 bilhão de pessoas – fuma: aproximadamente 47% da população masculina e 12% da população feminina fazem uso de produtos derivados do tabaco. Nos países em desenvolvimento, os fumantes somam 48% dos homens e 7% das mulheres, enquanto nos desenvolvidos, a participação do sexo feminino mais do que triplica, num total de 42% de homens e 24% de mulheres fumantes. 
No Brasil, pesquisa realizada recentemente pelo Ministério da Saúde, por meio do Instituto Nacional de Câncer (Inca), indica que 18,8% da população brasileira é fumante (22,7% dos homens e 16% das mulheres). 
Fonte: Prefeitura Municipal de Itajaí - itajai.sc.gov.br

Um em cada cinco jovens tem pressão alta, aponta pesquisa

A hipertensão (pressão arterial alta) é, em geral, uma doença que não apresenta sintomas até ocorrer uma lesão em algum órgão. Por isso, mesmo com uma prevenção simples, baseada na prática regular de exercícios, dieta e medicamentos de controle, a pressão arterial elevada é muitas vezes fatal - trata-se da segunda principal causa de morte nos Estados Unidos, por exemplo. E, agora, uma nova pesquisa americanda indica que o problema é muito maior do que se pensava entre a população jovem: um em cada cinco jovens adultos entre 24 e 32 anos de idade teria pressão alta.
Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill comparou seus resultados com uma publicação do governo federal, feita pelo National Health and Nutrition Examination Survey, que apontou apenas 4% dos adultos jovens com pressão alta. Segundo a Universidade da Carolina do Norte, o número chega a 19% dos pacientes - somente a metade sabia da doença por médicos. Ambos os resultados foram definidos sob os mesmo parâmetros: uma leitura de pressão arterial de 140 por 90 milímetros de mercúrio ou mais. A pressão arterial normal é considerada 120 por 80 ou inferior. Contudo, ninguém explica a diferença das estimativas de hipertensão entre os dois levantamentos.
"As descobertas indicam que muitos jovens correm o risco de desenvolver doenças cardíacas, mas não sabem que têm hipertensão", disse Quynh Nguyen, um estudante de doutorado na University da Carolina do Norte em Chapel Hill, cujo estudo aparece em linha na revista Epidemiology. A relação entre pressão arterial alterada e consumo de sódio, principal causador do problema, não foi estudada pelos pesquisadores.
O Instituto de Medicina, por meio da Academia Nacional das Ciências, declarou, no ano passado, que a pressão arterial - condição que aumenta o risco de derrames e ataques cardíacos - é uma "doença negligenciada", que custa aos cofres americanos cerca de 73 bilhões de dólares por ano.
O estudo da Universidade de North Carolina analisou, em 2008, mais de 14 mil homens e mulheres, entre 24 e 32 anos, a partir do Estudo Nacional Longitudinal de Saúde do Adolescente, conhecido como Add Health, financiada pelo National Institutes of Health. 
"O que temos é uma observação nova e precisamos examinar as contradições dos números. O estudo não muda a revisão da política e avaliação de saúde. Ele é apenas um sinal de que precisamos analisar com mais detalhes os dados", diz Steven Hirschfeld, médico do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano.
Fonte: Agência Reuters

domingo, 29 de maio de 2011

Ortopedia X Anestesia

video

House M.D. - Terceira Temporada

Esta é uma temporada muito tumultuada para House. O médico se recupera do tiro que levou, volta a trabalhar, mas sente dores novamente. Ele é preso e perseguido por um policial, que o acusa de ser viciado em remédios e forjar prescrições médicas. Além disso, a equipe de House, formada por Chase, Foreman e Cameron, é desintegrada, e Foreman deixa o hospital.



301. Significado
Após se recuperar dos ferimentos à bala, House está sem dor e anda sem ajuda da bengala. O médico volta a trabalhar, em dois casos: um homem de cadeira de rodas que tentou suicídio e uma mulher que ficou com paralisia após uma sessão de ioga.
302. Abdução 
House e sua equipe tratam um garoto que alega ter um rastreador alienígena em seu pescoço, além de ser cobaia de experiências desses aliens. Enquanto isso, Cameron se choca quando descobre que Cuddy e Wilson estão mentindo para House sobre o diagnóstico do último caso do médico mal-humorado. 
303. Consentimento Informado 
Um conhecido médico pesquisador desmaia em seu laboratório. House não consegue diagnosticar o problema e o paciente pede para que o deixem morrer. Além disso, o médico mal-humorado volta a sentir dores na perna e passa a usar a bengala novamente. Participação especial de Joel Grey.
304. Linhas na Areia
House assume o caso de um garoto autista, que grita aparentemente sem motivo. 
305. Loucos de Amor
Uma mulher é assaltada com o marido e começa a sofrer problemas respiratórios e dor no estômago. Durante o diagnóstico do problema, o marido também passa mal. Enquanto isso, um paciente da clínica causa problemas para House que podem ter sérias conseqüências. Participação especial de David Morse. 
306. O Que Será Será 
A equipe passa por problemas logísticos para fazer exames em um paciente que pesa mais de 250 quilos devido ao seu tamanho. Enquanto isso, House passa a noite na cadeia depois de ser preso pelo policial Tritter por diversas acusações. Participação especial de David Morse. 
307. Herança de Família 
House decide acordar um paciente em coma para perguntar sobre o seu histórico familiar. Seu filho pode ter uma doença genética e o pai é o único parente vivo. Enquanto isso, Michael Tritter se aproxima de Cameron, Chase e Foreman para tentar dividir a equipe. Participação especial de David Morse. 
308. Presente de Grego
 Um jovem de 18 anos sofre um ataque cardíaco e vai para o hospital. House lê a ficha do paciente e acredita que já sabe o diagnóstico. Enquanto isso, Michael Tritter procura atrapalhar a vida profissional de Wilson, e destruir a amizade do médico com House. Participação especial de Alan Rosenberg. 
309. Encontrando Judas 
House cuida do caso de uma garota que foi diagnosticada com pancreatite. Os pais da menina não chegam a um consenso e o médico vai ao tribunal para conseguir permissão para tratar a paciente. Enquanto isso, Tritter continua sua estratégia para que House admita seu próprio uso de drogas.
310. Feliz Natal 
Wilson propõe a House fazer um acordo com Tritter, mas o médico ranzinza recusa. Enquanto isso, Cuddy impede que House tome analgésicos e tira o doutor do caso dado para a equipe: uma menina de 15 anos que chegou ao hospital com anemia e um problema no pulmão. 
311. Palavras e Ações
House divide seu tempo entre o caso de um bombeiro que treme de frio descontroladamente e o julgamento em que o doutor ranzinza é acusado de forjar prescrições médicas. 
312. Um Dia, Um Quarto
House precisa lidar com uma vítima de estupro que insiste em se confidenciar com ele. Enquanto isso, um paciente que sofre de câncer terminal tenta se aproveitar da fragilidade de Cameron. 
313. Agulha Num Palheiro
 House e sua equipe recebem o caso de um adolescente cigano que sofre de problemas respiratórios. Entretanto, o médico ranzinza tem outro problema para resolver: Cuddy deu a outra pessoa a vaga de deficiente que o doutor possuía no estacionamento. 
314. Insensível
 No Dia dos Namorados, Cuddy vai a um encontro às escuras. Enquanto isso, House abandona a Sala de Emergência para assumir o caso de uma criança chamada Hannah. 
315. Idiota
House encontra um gênio musical que apresenta danos cerebrais e habilidades inexplicáveis. Já a equipe do médico está preocupada com a saúde do chefe. Participação especial do músico Dave Matthews. 
316. Ultra Secreto
Um ex-fuzileiro com sintomas similares à Síndrome da Guerra do Golfo é atendido no hospital. Enquanto House está ocupado cuidando de sua própria saúde, o paciente piora.
317. Posição Fetal
Uma famosa fotógrafa de celebridades, grávida aos quarenta e poucos anos, sofre um derrame. House e sua equipe enfrentam um dilema: salvar a mãe ou o bebê que ainda não nasceu. 
318. Nas Alturas 
Cuddy e House estão em um vôo saído de Cingapura quando um passageiro passa mal. A médica suspeita de uma epidemia. Enquanto isso, Wilson lidera a equipe no hospital para resolver o caso de uma mulher de meia-idade que sofre de convulsões.
319. Cada Qual Com Sua Idade
Uma garota de seis anos sofre de problemas típicos de pacientes bem mais velhos. Enquanto isso, Chase e Cameron estão em um clima tenso, levando House a dar tarefas em que trabalhem juntos, incluindo investigar a casa da menina. 
320. Adestrando
A equipe tenta diagnosticar um golpista que desmaia depois que seu cérebro pára de funcionar. O caso acaba se tornando pessoal para Foreman. Participação especial de Charles S. Dutton e Jane Adams. 
321. Família 
Wilson se prepara para fazer um transplante de medula óssea em seu irmão, Nick. Porém, Matty, o doador, fica doente e a equipe precisa curá-lo, pois ele é a única pessoa compatível para doação. 
322. Resignação
A equipe assume o caso de uma universitária de 19 anos que tosse sangue. Enquanto isso, Foreman pede demissão repentinamente. Honey, uma nutricionista que acompanha o tratamento do próprio namorado, se candidata a uma vaga no hospital. Participação especial de Piper Perabo. 
323. Cretino
House trata um menino prodígio em xadrez cujo comportamento irrita a todos da equipe. Além disso, Foreman está chateado porque acha que o médico mal-humorado sabotou sua entrevista de emprego com outro hospital.
324. Erro Humano
Um casal que fugiu de Cuba em uma jangada procura House para cuidar do coração da esposa. Quando ela piora, o médico mal-humorado pensa que alguém da equipe pode ter errado. Enquanto isso, Foreman se prepara para deixar o hospital de vez e a equipe se abala. 

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Georges Albert Édouard Brutus Gilles de la Tourette

Georges Albert Édouard Brutus Gilles de la Tourette (Saint-Gervais-les-Trois-Clochers30 de outubro de 1857 — Lausanne26 de Maio de1904) foi um médico francêsepônimo da síndrome de Tourette, um transtorno neurológico.
Em 1873, com 16 anos, iniciou seus estudos na faculdade de medicina de Poitiers. Mudou-se depois para Paris, onde foi interno de Jean-Martin Charcot, diretor do Hospital da Salpêtrière, em 1884. Em seguida foi chefe da clínica de Charcot, de 1887a 1889, e depois membro da equipe de Fulgence Raymond, o sucessor de Charcot na Salpêtrière.
Gilles de la Tourette estudou a histeria, os aspectos médicos e legais do mesmerismo, e lecionou psicoterapia. Em 1884, descreveu, em nove pacientes, os sintomas da síndrome que denominou maladie des tics convulsifs ("doença dos tiques convulsivos") e que Charcot renomearia "doença de Gilles de Tourette" em sua honra.
Membro da chamada Escola da Salpêtrière, Gilles de la Tourette sempre compartilhou inteiramente das idéias de Charcot, seja com relação à hipnose, seja quanto à histeria. Publicou um artigo sobre a histeria no Exército Alemão (que enfureceu Otto von Bismarck) e um outro sobre as condições anti-higiênicas nos hospitais flutuantes do rio Tâmisa. Em colaboração com Gabriel Legué, analisou as observações feitas pela Madre Jeanne des Anges  sobre o seu próprio caso de histeria, cuja origem teria sido o seu amor não correspondido pelo padre Urbain Grandier - posteriormente acusado de bruxaria e queimado vivo.
Nos últimos anos de sua vida, porém, Gilles de la Tourette sofreria uma série de reveses. Em 1893 (ou 1896), pouco depois da trágica morte do seu filho e do professor Charcot, uma jovem paranóide, antiga paciente da Salpêtrière, deu-lhe um tiro na cabeça, dentro do seu consultório, depois de acusá-lo de tê-la hipnotizado contra a sua vontade - o que os especialistas garantem ser impossível. Gilles de la Tourette sobreviveu a esse ataque, mas o bizarro episódio deu origem a um rumoroso processo que parecia, à primeira vista, endossar a tese, defendida pela Escola de Nancy, de que os indivíduos podem ser movidos ao crime, sob sugestão hipnótica - tese que Gilles de la Tourette sempre rejeitara veementemente. Extremamente abalado, Gilles de la Tourette começou a oscilar entre crises de depressão e acessos hipomaníacos. Entretanto, continuava a dar conferências sobre literatura, mesmerismo e teatro até por volta de 1902, quando seu estado mental se agrava. Ele é demitido do seu posto de trabalho e internado em uma clínica psiquiátrica de Lausanne, onde morre a 26 de Maio de 1904.
Apesar da relevância de suas realizações, a morte de Gilles de la Tourette suscitou apenas a publicação de um relato biográfico incompleto, feito por seu amigo Paul Le Gendre, e de alguns obituários pouco informativos.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Santa Catarina registra a primeira apreensão de oxi

A Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina confirmou a primeira apreensão de oxi no Estado. A droga mais mortal que o crack foi encontrada na noite de terça-feira em Araranguá, no Litoral Sul. A Central de Polícia fez a apreensão em uma casa da periferia da cidade. A substância estava enterrada perto de um muro e, segundo a polícia, foi identificada pelo cheiro e pela cor, mais forte do que o crack. Ao todo, havia 54 gramas da droga, embalada em 17 porções. O oxi é um subproduto da cocaína acrescido de querosene e cal virgem. É mais tóxico e mais barato que o crack.
A substância entrou no país pelo Norte, na fronteira com a Bolívia, e já foi apreendida em estados como Acre, Bahia, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Seus efeitos são muito fortes e levam à morte 30% dos usuários no primeiro ano de uso.
Fonte: DC online

O poder das frutas oleaginosas e das frutas secas

As frutas secas e oleaginosas, muito apreciadas por pessoas de diferentes faixas etárias, são comumente ingeridas sozinhas ou como parte de diversos tipos de preparações muito consumidas nas festas de final de ano.

Frutas Oleaginosas:
As frutas oleaginosas, como nozes, amêndoas, castanhas, avelãs, entre outras, são bastante conhecidas pelo seu alto teor calórico, porém podem trazer também diversos benefícios para a saúde, não devendo ser excluídas das dietas do dia a dia, pois fornecem gorduras mono e poliinsaturadas, que são fundamentais para o bom funcionamento do organismo.

Avelãs:
Além de um alto percentual de fibras, nós temos as vitaminas B1 e B2, uma qualidade excepcional de proteína vegetal.A avelã com sua expressiva quantidade de gorduras monoinsaturadas induz à queda dos níveis do colesterol ruim (LDL). Com isso, tal qual as aveias, é uma benção para a saúde do seu coração.
Ainda mais, as avelãs são riquíssimas em ferro e fósforo, que são nutrientes muito especiais para a sua saúde diária. Não abra mão de um punhado de avelãs nas suas refeições diárias.

Amêndoas:
As amêndoas são uma boa fonte de vitamina E e de manganês. As amêndoas são uma boa fonte de magnésio, cobre, riboflavina (vitamina B2), e fósforo. Felizmente, apesar de um quarto de chávena de amêndoas conter cerca de 18 gramas de gordura, a maioria (11 gramas) são gorduras monoinsaturadas.O conveniente écomer todos os dias algumas amêndoas cruas; isto trará benefícios  ao seu coração, assim como muitos nutrientes antes mencionados. Também é possível o consumo de óleo de amêndoas, ou amêndoas trituradas, e você pode incorporá-las em diferentes receitas de cozinha.

Castanhas de caju:
Possui acido fólico e vitamina E.A castanha do caju possui alto valor calórico, por isso, considerada afrodisíaca e energética. Você sabia que o verdadeiro fruto do cajueiro é a castanha de caju? Pois é, a parte amarela que é apenas a parte carnuda, é que sustenta o caju.

Castanhas do Pará:
É uma fruta típica do norte do Brasil e um dos principais produtos de exportação da Amazônia. Possui alto valor protéico e calórico além de ser rica em selênio, substância que reduz o risco de cânceres como o de pulmão e de próstata e combate os radicais livres, agindo contra o envelhecimento, fortalece o sistema imunológico, atua no equilíbrio da tireóide. Mantenha-se jovem e saudável com uma castanha por dia.

Macadâmias:
Contêm antioxidantes, os quais possuem propriedade rejuvenescedora. Por ser rica em gorduras monoinsaturadas, quando consumidas com frequência (duas ou mais vezes por semana), reduz o risco de doenças cardíacas, diminui o colesterol total e o ruim (LDL) e ainda, o triglicérides. Ela é bastante calórica, mas se for consumida moderadamente não engorda e traz benefícios para a saúde. Existem dez espécies de macadâmia, sendo seis comestíveis e as outras tóxicas.

Nozes:
Contêm Omega 3 que Reduz o colesterol, triglicéridos, combate radicais livres, retardando o envelhecimento, previne doenças cardiovasculares, diminue a pressão arterial, os processos inflamatórios, reduz dores musculares e protege contra isquemias.Omega 6 que ajuda a reduzir o colesterol e intervém na formação do tecido nervoso e na produção de anticorpos e Vitamina E que é  antioxidante. Quando comer nozes, beba um pouco de vinho. Ao contrário do que se pensa, é benéfico se consumido moderadamente, ajuda a reduzir o risco de sofrer de doenças cardiovasculares, arteriosclerose e doenças cerebrais, como a Alzheimer, por exemplo.

Frutas secas:
As frutas secas, ao contrário das frutas frescas, representam uma fonte mais concentrada de calorias (devido a sua concentração ainda maior do açúcar da fruta, frutose), fibras e alguns nutrientes, além de serem leves e não perecíveis. Elas contém cerca de 3 a 25% de carboidratos, fração esta, composta basicamente de açúcares simples, pectina, amido e celulose (fibra).
Os figos e as ameixas contêm laxativos naturais, além de grandes quantidades de fibras. Apesar de serem tradicionalmente usadas contra prisão de ventre, o consumo excessivo das ameixas, pode provocar diarréia. 
As frutas secas são obtidas pela perda parcial da água da fruta madura, inteira ou em pedaços, podendo sua secagem ser mecânica ou pelo sol. Durante o processo de secagem das frutas, parte da vitamina C e do betacaroteno podem ser perdidos, principalmente se as frutas forem secas ao sol.
Devido a seu teor calórico ser maior que o das frutas frescas, devemos tomar cuidado com o excesso no consumo destas frutas, procurando consumir uma quantidade não muito exagerada.
Blog "Entre Coisas"

domingo, 22 de maio de 2011

De Hipócrates à hipocrisia


Planos de saúde ofereceram uma melhor remuneração, denominada "consulta bonificada" a médicos que pedissem menos exames a seus pacientes. A Associação Médica Brasileira denunciou a prática como antiética e a Agência Nacional de Saúde proibiu sua utilização. Em tempo. Se um médico pede um exame é porque julga necessário. Não pedi-lo em troca de dinheiro seria pôr em risco a saúde do paciente. Por outro lado, se não era necessário e mesmo assim pediu, por que o fez? A quem interessava o pedido indevido? A confiança na palavra do médico, ponte entre a vida e a morte, é a essência da relação com o paciente. É gravíssimo desmoralizá-la a troco do que em profissões menos nobres se chamaria gorjeta.
Essa relação tem uma origem sagrada. Deus tutelar da medicina, Esculápio viveu em Epidauro e foi elevado ao Olimpo por suas práticas curativas, misto de conhecimento e deferência com o sofrimento humano. À sua morte espalharam-se pelo mundo antigo templos em seu louvor, construídos por discípulos e sacerdotes aos quais acorriam peregrinos em busca de alívio para seus males. Neles havia espaço para que pernoitassem e repousassem durante a convalescença. Nasciam os hospitais e seus médicos. Gerações mais tarde um descendente de Esculápio, Hipócrates, abre caminho para a medicina moderna anunciando que os males não vinham dos deuses, mas da natureza, e que, descobertas as causas do mal, na própria natureza encontraríamos seu remédio. Nascia o diagnóstico. Os escritos de Hipócrates são o fundamento da ética médica.
A travessia da dor e da morte empresta à relação médico-paciente um caráter de confiança mesclada de gratidão.Transformada em prestação anônima de serviço, essa relação está adoecendo. Quem não teve, em um hospital ou posto de saúde, a experiência de ser atendido por um médico, depois controlado por outro, e mais tarde por um terceiro, desconhecido? Quem não sentiu, então, a vertigem do desamparo? Onde a intimidade que unia o paciente ao médico, autorizando a nudez do corpo e da alma fragilizados?
Mais que um serviço, o que se poderia explicar pelas necessidades do atendimento de massa, contaminada pela lógica do mercado, a medicina corre o risco de se tornar um produto. O episódio da consulta bonificada fere a dignidade dos médicos e o direito dos pacientes. A solicitação de exames desnecessários, por sua vez, suscita interrogações sobre a medicina tecnológica. Apesar dos inestimáveis serviços que presta, sobretudo na prevenção de doenças como o câncer de mama, estaria a medicina tecnológica induzindo a um hiper consumo de exames oferecidos por uma pletora de empresas? Onde a verdade, onde a impostura? Não estaria o paciente sendo vítima do fogo cruzado de uma sombria batalha por lucros? Essas dúvidas só a ética médica pode dirimir.
Segundo ato, a definição mesma de doença. Antes uma sensível pane do corpo, hoje ela se define como um avesso da expectativa da saúde perfeita, horizonte marqueteiro que recua quanto mais nos aproximamos dele. A cada item dessa pauta inesgotável corresponde uma oferta terapêutica, um produto novo colocado no mercado ou um serviço que alguém se dispõe a prestar. Afinal, não é a oferta que induz a demanda? Prospera a invenção das doenças. A criança travessa - diagnosticada como hiperativa - precisa supostamente de atendimento psicológico ou de tranqüilizantes. E há quem, sem necessidade de cuidados especiais, pague a um personal - esse anglicismo abreviado que se incorporou ao nosso vocabulário - para simplesmente caminhar a seu lado, já que o exercício diário é necessário e, se não praticado, mandamos para nós mesmos a conta da culpa. As farmácias assépticas que substituem nas esquinas a alegria dos bares são o depoimento urbano sobre a medicalização da vida e a ampliação do mercado da saúde. Os filósofos iluministas já desconfiavam que esse negócio iria prosperar. Voltaire, na rubrica "doença" de seu Dicionário Filosófico, põe na boca de um médico: "Nós curamos infalivelmente todos aqueles que se curam a si mesmos." Rousseau, no Emílio, é ainda mais categórico: "Impaciência, preocupação e, sobretudo, remédios mataram pessoas que a doença teria poupado e o tempo curado."
A saúde é, hoje, uma caixa-preta a ser aberta pelos médicos que honram o juramento de Hipócrates e pacientes inseguros que querem se defender das hipocrisias. Ela guarda as duas faces perversas de um mesmo negócio: a deriva da medicina de mercado e o mito da saúde perfeita. Em todos os sentidos, ambos nos custam caríssimo.
Rosiska Darcy de Oliveira, escritora, escreveu este artigo para o CFM, tendo sido republicada pelo jornal "O Globo" em 30 de abril de 2011.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Num casal, não há metade perfeita. E as diferenças são muito bem-vindas.

No diálogo O Banquete, do filósofo grego Platão (427-347 a.C.), vários pontos de vista sobre o amor são apresentados. Um dos participantes, o poeta cômico Aristófanes (cerca de 450-cerca de 388 a.C.), também grego, conta ali um mito comovente. Nos tempos primevos, haveria um terceiro gênero, nem homem, nem mulher, mas um ser completo, formado por duas metades. Este ser "era uma totalidade redonda, sua espádua e suas costas formando um círculo; tinha quatro braços, pernas em número igual ao dos braços, dois rostos sobre um pescoço circular, semelhantes em tudo, e sobre estes dois rostos que estavam colocados em sentido oposto somente uma cabeça; além disso, quatro orelhas, dois órgãos sexuais".
Havia três espécies do gênero: uma com as duas metades homem, outra com as duas metades mulher e uma terceira, com uma metade homem e a outra, mulher. Todas eram criaturas fortes, a ponto de poderem desafiar os deuses. Para enfraquecê-las, Zeus seccionou-as em duas partes. A partir de então, cada uma procura sua metade.
Aqui está colocada aquela ideia de uma destinação única e inelutável, comum em casais apaixonados e com pouca experiência em relações amorosas, a popular "metade da maçã", ou "cara-metade". Diz respeito àquele sentimento de perfeição experimentado pelo jovem casal, que acredita ser forte e capaz de enfrentar todos os desafios e de se entender perfeitamente, cada um adivinhando e realizando o desejo do outro, pois os dois se tornaram um. Nesse estágio as diferenças não são percebidas, escondem-se sob o manto do desejo de ser e fazer tudo aquilo que o outro deseja.
Sabemos que tal estado tem uma duração limitada. Amainada a fogueira da paixão, as diferenças começam a aparecer, as demandas deixam de ser tão prontamente atendidas, ou passam a ser desatendidas. Surge então a clássica frase "Somos muito diferentes", cujo subtexto é "Nossa relação não vai dar certo".
Alguns casais se separam durante este período tempestuoso e outros o atravessam aprendendo a conviver com a diferença, mas lamentando secretamente o paraíso perdido.
Pois bem: além de ser inevitável o aparecimento das diferenças, elas têm importantes funções. Havendo boa vontade para ouvir e levar em consideração os pontos de vista do parceiro, e havendo compreensão e tolerância para as suas idiossincrasias, mesmo que bobas, um poderá se enriquecer com as peculiaridades do outro.
A aceitação da diferença tem também função no delicado campo da atração sexual. Um casal que está descobrindo as diferenças, mas ainda não sabe lidar com elas, tende a ir se afastando até que surge uma briga séria. Esta reaproxima os parceiros no território da agressividade, seguindo-se então um período de amuo que incomoda os dois, especialmente quando as brasas da paixão ainda ardem. Aí, o desejo sexual, a serviço do desejo de reaproximação, cresce muito, levando a intenso encontro de corpos e almas. O prazer sentido e a fusão experimentada amolecem as defesas e ambos ficam mais propensos a se abrir e a admitir as diferenças. Eles se tornam mais porosos na relação, podendo aceitar a subjetividade do outro. Esse processo várias vezes repetido consolida a relação e é possível que chegue o momento em que o casal possa dizer: "Bendita diferença".
 * Nahman Armony, médico psicanalista, é membro da Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle (Spid), do Círculo Psicanalítico do Rio de Janeiro e da Federação Internacional das Sociedades Psicanalíticas. Publicou, entre outros livros, Borderline: Uma Outra Normalidade.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

House M.D. - Segunda Temporada


Na segunda temporada. Cameron enfrenta a possibilidade de ter uma doença que arrisque sua vida e precisa fazer um teste de HIV. Chase é acusado de ter cometido um erro médico. Dr. House recebe a visita de seus pais, e começa a ter dores mais fortes na perna. Wilson vai morar na casa de House, depois de se separar de sua mulher, e alguns problemas de convivência surgem.



201. Aceitação 
Dr. House decide investigar o caso de um presidiário condenado à pena de morte que sofre de uma misteriosa doença, mesmo contra a decisão de Cuddy e Foreman. Além disso, House começa a lidar com a presença de sua ex-mulher, que agora trabalha bem perto dele. Participação Especial de L.L. Cool J. 
202. Necropsia
Dr. Wilson convence House a tratar de uma menina com câncer terminal que começa a sofrer de estranhas alucinações.
203. Humpty Dumpty 
Um homem que sofre de asma fica inconsciente e desmaia no momento em que estava trabalhando na casa da Dra. Cuddy. 
204. Tuberculose? 
Um famoso médico fica doente repentinamente enquanto viaja pela África. Sua doença inexplicável só poderá ser tratada pelo Dr. House. 
205. Queridinho do Papai
Um formando da Universidade de Princeton sofre uma crise repentina durante uma festa em seu dormitório. Enquanto resolve o caso, Dr. House recebe a inesperada visita de seus pais. 
206. O Ciclista 
Um ciclista profissional tem um colapso durante uma corrida. Dr. House, no entanto, não quer atendê-lo, pois desconfia que o atleta esteja tomando anabolizantes. House só se interessa pelo caso quando o paciente admite que toma os remédios. 
208. O Erro 
House e Chase enfrentam um sério problema depois que uma jovem mãe morre. Stacy precisa ajudar Chase a provar que a morte da mulher não foi um erro médico, mas logo percebe que ele está escondendo algo. 
209. Fraude 
Enquanto Foreman supervisiona o trabalho de House, a equipe precisa descobrir se uma mulher que se queixa demais está realmente doente. O episódio conta com a participação especial da atriz Cynthia Nixon. 
210. Falha na Comunicação
Um jornalista tem um colapso e bate com a cabeça na mesa enquanto trabalha. A equipe precisa descobrir o que houve sem a presença do Dr. House, que está com Stacy no aeroporto aguardando o tempo melhorar para pegar seu vôo. 
211. Preciso saber 
House e Stacy tentam resolver os problemas de seu relacionamento. Enquanto isso, Cameron se recusa a pegar o resultado de seu teste de HIV.
212. Distrações
 A equipe trata de um adolescente que foi seriamente queimado. Além disso, House faz testes não-oficiais com uma nova droga contra enxaquecas. 
213. A Top Model 
Uma supermodelo adolescente viciada em heroína vai se tratar no Hospital. Além disso, House começa a ter dores mais fortes na perna e Wilson acredita que seja um sinal de que os nervos da perna do médico estejam se regenerando. 
214. Sexo Mata 
House cuida do caso de um homem que precisa de um transplante de coração para se curar de uma misteriosa doença. A equipe corre contra o tempo para conseguir salvar o paciente. 
215. Sem Pistas 
House desconfia que a esposa de um paciente esteja tentando matar seu marido e busca provas para confirmar suas suspeitas. Enquanto isso, Wilson vai morar na casa de House, depois de se separar de sua mulher. 
216. Segurança 
House trata de uma adolescente que passou por um tratamento com forte medicação após um transplante de coração. Ela tem uma séria reação alérgica e entra em choque logo após a visita de seu namorado. Enquanto isso, House e Wilson enfrentam os problemas surgidos da convivência no mesmo apartamento.
217. A Caçada
Um homem que sofre de AIDS tem um colapso e entra em choque. House descobre que o pai do paciente apresenta os mesmos sintomas e precisa determinar se as doenças têm alguma conexão, para salvar as duas vidas. Enquanto isso, Cameron enfrenta a possibilidade de ter uma doença que arrisque sua vida.
217. Todos A Bordo 
Um menino apresenta os mesmos sintomas de um paciente de House que morreu há anos. Assim, o médico acredita que pode prever o curso da doença do garoto. Enquanto isso, é organizada uma noite de pôquer em benefício do Departamento de Oncologia. Participação especial da atriz Laura Allen. 
218. Monstros no Armário 
House corre contra o tempo para atender uma paciente que sofre de um caso fatal de insônia. Enquanto isso, Cameron se enfurece com Foreman, que roubou um artigo escrito pela médica. 
219. House versus Deus
 House e sua equipe tratam de um curandeiro que tem apenas 15 anos. Enquanto isso, Wilson se sente rejeitado quando descobre que o médico participa de um jogo semanal de pôquer. 
220. Euforia: Parte 1
Um policial ferido à bala é atendido pela equipe e sofre de estranhos ataques de riso. House e seus companheiros ficam perplexos com o caso. Foreman começa a apresentar os mesmos sintomas, levando a equipe a acelerar a investigação sobre a causa da doença. 
221. Euforia: Parte 2 
Foreman continua a apresentar sintomas semelhantes aos de um policial internado no hospital, acometido por crises de riso. House acredita que a solução para a doença esteja no apartamento do agente de polícia. 
222. Para Sempre 
Uma jovem mãe sofre um surto enquanto dá banho em seu filho recém-nascido e quase o afoga. House e sua equipe trabalham nos dois casos ao mesmo tempo: tentam salvar o bebê e descobrir a causa dos surtos da mãe. 
223. Quem é Seu Pai? 
Um ex-companheiro de banda de House pede ao médico que atenda sua recém-descoberta filha de 16 anos. Vítima do furacão Katrina, a garota sofre de alucinações desde o desastre. Embora House tema que o amigo esteja sendo enganado, aceita trabalhar no caso.
224. Sem Motivo
House está trabalhando no diagnóstico de um homem cuja língua está inchada. O marido de uma ex-paciente invade o escritório do médico, atira nele e, em seguida, é baleado pela segurança do hospital. Mesmo internado na UTI, House continua a trabalhar e divide o quarto com o homem que o feriu.